A felicidade do lar vem do fogão
A felicidade do lar vem do fogão
Escola de Confeitaria / Artigos / História

A felicidade do lar vem do fogão

Citando Schopenhauer, o professor lembrou que a felicidade da vida pública depende da felicidade da vida particular, e concluiu mencionando o pensamento da escritora Julia Lopes de Almeida: “A felicidade do lar vem do fogão”. por Lúcia Soares

por Joyce Galvão - 23/12/2018

No começo do século XX, a riqueza do café impulsionava a transformação de São Paulo. O sentido de modernidade europeu moldava a estética da cidade e inspirava os hábitos da elite cafeeira que, aos poucos, fixava residência construindo palacetes nas avenidas que surgiam. Acontecimentos sociais como festas, casamentos e jantares de gala passaram a exigir luxo, elegância e etiqueta civilizada à mesa.

Estava abolida a escravidão e proclamada a república. O projeto político republicano defendera a instrução como plataforma para combater as desigualdades sociais, na primeira república. As ideias sobre o trabalho assalariado e as demandas da industrialização levaram o ensino profissional a ganhar espaço na capital. Desse modo, a Escola Profissional Feminina também passou a oferecer em seu currículo, aulas de Arte Culinária, a partir de 1911. A professora contratada para ministrar a disciplina foi a Sra. Maria Thereza de Abreu Costa, uma paulistana formada professora, reconhecida cozinheira que negociava com buffet na capital.

A iniciativa motivou a visita de personagens ilustres como o próprio presidente de Estado, Rodrigues Alves que lá esteve em 08 de junho de 1912. De acordo com a matéria publicada no jornal O Estado de São Paulo, na ocasião foi servido um “lunch” composto de diferentes iguarias preparado e servido pelas alunas, com direito a um brinde com Champagne ao final, e palavras de gratidão proferidas pelo professor de filosofia, Manoel Ciridião Buarque. Citando Schopenhauer, o professor lembrou que a felicidade da vida pública depende da felicidade da vida particular, e concluiu mencionando o pensamento da escritora Julia Lopes de Almeida: “A felicidade do lar vem do fogão”. Desse modo, a escola normal estava contribuindo para a felicidade da família e da sociedade. E o evento foi encerrado sob aplausos.

Naquele momento, um discurso sobre o fogão fazia muito sentido para São Paulo, ainda mais se ele fosse a gás, pois, a partir de 1912, a Light passava a deter o controle acionário da San Paulo Gas Company. Havia a necessidade urgente de se criar mercado para a venda do gás para fins domésticos, uma vez que os lampiões de gás (encarregados da iluminação pública) vinham sendo substituídos gradativamente por lâmpadas de energia elétrica, o que contribuía para aumentar o volume de gás excedente.

É oportuno lembrar também que, a partir de 1912, as propagandas de fogão a gás da Société Anonyme du Gaz (SAG) aparecem semanalmente nas edições da revista Fon-fon, periódico carioca de grande circulação no país, seguido por outras marcas e periódicos, tornando-se símbolo de modernidade no lar.

Tudo estava conectado com uma nova ideologia que surgira para reforçar novos padrões de comportamento. A educação da mulher para os novos tempos baseava-se nos princípios da modernidade nacional: sanear, remodelar e civilizar, associados à penetração do capitalismo industrial. Isto é, o sistema capitalista de produção/propaganda/consumo que se instalou, em São Paulo, a partir de 1850, passou a promover uma dinâmica de transformação e de desconexão com o passado tradicional, tendo como eixo a racionalização dos processos.

A atualização do papel da mulher e a divulgação de novos conhecimentos teve na imprensa sua maior aliada. Em 1915, a própria Profa. Maria Thereza que já colaborava com crônicas para alguns periódicos paulistas, lançou seu primeiro livro de culinária: Noções de Arte Culinária que marcou a cozinha paulista com receitas sofisticadas de pratos e cardápios elaborados, sendo considerado um dos livros de culinária mais importantes do país.

O livro está dividido por assunto iniciando com as Hors-d’oeuvre (entradas), onde ensina a servir rabanetes, salame, azeitonas, anchovas, arenques, ostras, sardinhas, paté de foie gras e presunto com abacaxi, entre outros. Em seguida, vêm os Sandwiches e Canapés cujas receitas variam entre sanduiches frios, a base de manteiga ou maionese, ovos, frios, conservas, mostarda e molho apimentado, e pão de sandwiche preto ou branco, ou os dois. E, os canapés de petis-pois, tirinhas de tomate, rodelas de azeitona verde ou preta e de beterraba, fatias de ovos cozidos para decorar. O livro também dedica dez páginas aos Molhos, entre eles o Molho Branco, o Molho Bechamel, o Molho Hollandez, o Molho a Maitre d’hotel, o Molho Mousseline, o Court Bouillon, o Molho de Mayoinese, o Molho Tártaro, o Molho de Tomate, o Molho Madeira e o Molho de Escabeche.

A obra de D. Maria Thereza apresenta alguns produtos industrializados, e de um modo geral, predominam os postulados da cozinha francesa e suas técnicas como o roux, por exemplo, e de palavras do vocabulário culinário francês como bouquet e caramel. Quanto aos doces, são setenta e cinco páginas onde se perfilam receitas tradicionais da doçaria portuguesa; Receitas de clássicos franceses como macarons, bavaroise, génoise, madalenas. éclairs, petit-four, tarteletes, etc.; Receitas regionais brasileiras como mãe benta, bala de café, pé de moleque, brevidades, bem casados, bolo de mandioca puba, etc.; E, entre as receitas inglesas, figura a do Silvia’s cake, um tipo de pound cake (contém um pound de cada ingrediente: manteiga, açúcar, farinha de trigo e ovos) acrescido de amêndoas assado em tabuleiro, e depois coberto com uma calda de laranja. Quando frio, se corta em pedaços ou losangos. O Silvia’s cake é, portanto, um tipo de bolo inglês, cuja receita é, curiosamente, muito encontrada nos antigos cadernos de receita do Vale do Paraíba. Acredita-se que a receita que era utilizada nas festas da corte do Rio de Janeiro foi introduzida pelas baronesas nas fazendas de café do Vale, no século XIX. Para o quarto centenário da cidade, o Silvia’s Cake foi batizado de Bolo São Paulo e se popularizou nos livrinhos de receita que acompanhavam os novos equipamentos elétricos de cozinha.

Como não teve a mesma procura dos outros cursos profissionalizantes tal qual corte e costura, bordado e confecção de chapéus, as aulas de arte culinária na Escola Profissional Feminina foram encerradas em 1917. A professora abriu, então, seu próprio curso divulgando uma pequena nota no jornal O Estado de São Paulo, em que relacionava a boa dona de casa aos indispensáveis conhecimentos de arte culinária.

Posteriormente, Maria Thereza lançou seu segundo livro: Supplementos às Noções de Arte Culinária que oferece, além de novas receitas, cardápios para “Regimens” sugerindo receitas adequadas e apontando a importância da restrição de ingredientes nas diferentes enfermidades, em um tempo que antecede, em quase duas décadas, a criação do primeiro curso de nutrição em São Paulo.

Apesar de sua importância para a cozinha paulista, infelizmente, temos muito pouco registro sobre sua vida. Sabemos que nasceu na capital, em 1865, filha de um rico comerciante português que veio a perder tudo. Seu tio materno, Hilário Pereira Magro, era proprietário do Café e Hotel do Commercio, onde trabalhava o confeiteiro Macedo com quem D. Thereza aprendeu o ofício. Era casada, teve filhas que seguiram na profissão, e faleceu em 1944.

Como legado, além dos livros, nos deixou a introdução nas festas paulistanas de cajuzinhos, olho de sogra, e camafeu de nozes, e certamente, muitas outras coisas que esquecemos. Cada livro de Maria Thereza, entretanto, pode nos servir ainda como objeto de cultura material, uma vez que fornece dados para a evolução da comida paulista, sob o ponto de vista histórico, estético e visual. Trata-se de uma instância de consagração importante por fornecer parâmetros para o gosto alimentar, e funcionar como disseminador de gostos alimentares e difusor de usos e costumes da primeira metade do século XX.

REFERÊNCIAS

“Arte Culinária”. Jornal O Estado de São Paulo, 18 de setembro de 1917, p.7.

 

COLOMBECK, Patricia. Caetano de Campos a escola que mudou o Brasil. São Paulo: Edusp, 2016.

 

COSTA, Maria Thereza de Abreu. Supplemento às Noções de Arte Culinária. São Paulo: Officinas Graphicas da Ave Maria, 1936.

_________, Noções de Arte Culinária. São Paulo: Saraiva & Cia, 1947.

 

“Escola Normal”. Jornal O Estado de São Paulo, 09 de junho de 1912, p. 5.

 

GOMES, Laura Graziela; Livia Barbosa. “Culinária de papel”. Estudos Históricos, nº 33 (2004).

 

HOMEM, Maria Cecilia Naclério. Cozinha e Indústria em São Paulo. São Paulo: Edusp,2015.

 

SILVA, João Luiz Maximo.Cozinha Modelo: O Impacto do Gás e da Eletricidade na Casa paulistana (1870-1930). São Paulo: Edusp, 2008.

MAIS ARTIGOS DE LÚCIA SOARES

Os novos rumos da confeitaria brasileira

Os novos rumos da confeitaria brasileira

Para onde vai a nossa confeitaria? Foi essa pergunta que permeou a mesa redonda mediada por Lúcia Soares na terceira edição do Compartir em setembro de 2018.

por Lúcia Soares
Saiba mais
Somos comidos pelo que comemos

Somos comidos pelo que comemos

"Às nossas frutas, e nossos doces, pois, já lhe parecia tempo de lhes irmos dando a merecida importância. E era o ano de 1906..."
por Lúcia Soares
Saiba mais